quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

Brenda Strong compara suas personagens de “Desperate Housewives” e “The 100”


O que “The 100” e “Desperate Housewives” têm em comum? Não muito, até que uma nova personagem surgiu nesta temporada.

Brenda Strong, que interpretou Mary Alice Young em “Desperate Housewives” (2004-2012), juntou-se ao mundo pós-apocalíptico da rede americana CW como a rainha Nia — e ela diz que as duas personagens podem ter mais em comum do que você pensa.

“As duas são dispostos a sacrificar coisas para o bem como um todo”, diz Strong. “Mary Alice protegeu sua família e seus vizinhos de um segredo que ela sentiu que iria destruir sua família e, em seguida, a vizinhança dela”. Quanto a Nia, ela está tentando proteger o maior “bairro” da nação de gelo, então ambas mostraram auto-sacrifício para manter as pessoas seguras. Ambas se importam com as pessoas, embora de maneiras diferentes. Mary Alice liga para amigos e família; Nia “liga” para avançar a sobrevivência de sua nação. E isso é onde terminam as semelhanças.

“Não acho que Mary Alice tem a ambição que Nia tem... nem a espinha dorsal”, Strong diz com uma risada. “Mary Alice tem um coração muito bom; Nia é muito cruel”.

Mas Mary Alice tem um pouco mais em comum com outra pessoa da série: Bob Morley, que interpreta Blake Bellamy e está narrando a intro de “The 100” nesta temporada – Mary Alice era a narradora onisciente para “Desperate Housewives”. “O que ele está fazendo, está fazendo com o coração”, diz Strong, que acrescenta que o “coração” foi infundido nas narrações de Mary Alice. “Eu acho que sua narração, levando em conta o que eu ouvi, é realmente centrada no coração”. Além disso, ela acrescenta: “ele tem uma voz bonita!”.

The 100” vai ao ar às quintas-feiras, às 21h (horário local), na The CW.

sábado, 7 de novembro de 2015

Marcia Cross retorna à TV em “Quantico”


Marcia Cross está retornando aos domingos da ABC com um grande papel recorrente no novo sucesso da rede, “Quantico”, segundo o TVLine.

A estrela de “Desperate Housewives” estará interpretando a mãe de Caleb Haas (Graham Rogers), que habilmente deixou de ser uma agente do FBI renomada para se tornar uma senadora de alto escalão e agora é candidata à vice-presidência. Embora pareça ser uma política hábil e carismática ao público, sua família sabe que seus próprios objetivos vêm antes de qualquer outra coisa.

Cross não fará sua estreia na série até o início de 2016, mas quando o fizer, será em uma cena marcante. Na última semana, foi revelado que o marido de sua personagem, interpretado por Mark Pellegrino, está tendo um caso com a agente novata do FBI Shelby (que, anteriormente, teve um caso com seu filho, Caleb).

Quantico” marca o primeiro papel importante de Marcia Cross na TV desde Bree Van de Kamp, de “Desperate Housewives”, finalizada em 2012.

Estrelada por Priyanka Chopra e Jake McLaughlin, “Quantico” vai ao ar aos domingos, às 22h, na ABC.

“Telenovela”, nova série de Eva Longoria, ganha data de estreia e exibição especial


A NBC está oferecendo a seus telespectadores uma prévia de duas das suas novas séries de comédia, apostando no sucesso de um de seus maiores programas para fazer com que a audiência seja fisgada.

Dentre elas, está “Telenovela”, nova série da atriz Eva Longoria. A estreia será logo após o episódio ao vivo do reality show “The Voice”, no dia 7 de dezembro. A prévia será de uma hora, com a exibição dos dois primeiros episódios. A estreia oficial ocorre no dia 4 de janeiro.

Em “Telenovela”, Eva Longoria interpreta Ana Sofia, a estrela popular de uma novela espanhola de sucesso que na verdade não sabe falar espanhol. Ana Sofia é forçada a trabalhar com seu ex-marido, quando ele é escalado como seu interesse amoroso na tela.

A outra comédia é intitulada “Superstore”, ambientada em um local de trabalho e é estrelada por America Ferrera e Ben Feldman sobre um grupo de empregados em um grande supermercado. Por sua vez, “Superstore” terá sua prévia de 1 hora exibida no dia 30 de novembro.

Sinopse da 2ª temporada de “American Crime”


A ABC divulgou a sinopse da 2ª temporada de “American Crime”, drama estrelado por Felicity Huffman e Timothy Hutton. Confira:

Questões de orientação sexual e disparidade socioeconômica entram em ebulição quando fotos sinistras de um estudante do ensino médio, Taylor Blaine (Connor Jessup, de “Falling Skyes”), são postadas nas mídias sociais, após uma festa da escola. As circunstâncias ficam mais complicadas quando Taylor acusa dois jogadores de basquetebol de uma alta escola de elite privada, Kevin LaCroix (Trevor Jackson, de “Eureka”) e Eric Tanner (Joey Pollari, de “The Inbetweeners”), de drogá-lo, abusá-lo e depois postar as fotos dele on-line. O treinador do time, Dan Sullivan (Timothy Hutton), tenta unir os jogadores, enquanto faz vista grossa para a disfunção da própria família. A diretora Leslie Graham (Felicity Huffman) se esforça para manter a reputação da escola em face de acusações.

A mãe de Taylor, Anne (Lili Taylor), continua a ser uma firme apoiante de seu filho, apesar de ser publicamente humilhada por famílias dos alunos da escola, entre eles principalmente os LaCroixs. A namorada de Taylor, Evy (atriz recém-chegada Angelique Rivera), lida com tensão racial em sua própria escola, liderada pelo diretor Chris Dixon (Elvis Nolasco). Enquanto as duas escolas no centro da história são de mundos diferentes no status, as vidas dos estudantes e professores em ambas se tornam indissociáveis.

Em última análise, o apoio para Taylor vem de um lugar improvável; uma pessoa que Taylor e sua mãe nunca conheceram, e que habita a margem da comunidade on-line.

American Crime”, série indicada ao Emmy, fará a estreia de sua segunda temporada na quarta-feira, 6 de Janeiro, às 22h (horário local). A nova trama está situada no centro-oeste dos Estados Unidos, em duas escolas, uma pública e uma privada.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

“‘American Crime’ vai traçar paralelos com a realidade”, diz John Ridley


A ABC está apostando que “American Crime”, novo drama da emissora, será um sucesso e abrirá discussões quando ocorrer sua estreia, em março.

A nova série limitada do ganhador do Oscar, John Ridley (“12 Anos de Escravidão”) segue a investigação e o julgamento em tordo do assassinato racial de um veterano na cidade de Modesto, na Califórnia. A partir de várias perspectivas, incluindo personagens interpretados por Felicity Huffman, Timothy Hutton, Regina King, Benito Martinez e Elvis Nolasco.

Embora “American Crime” tenha sido desenvolvida antes da alegada onda de brutalidade policial, Ridley observa que os telespectadores vão descobrir que a série irá traçar paralelos com os acontecimentos que envolveram a morte de Michael Brown, em Nova York, e outras instâncias que fizeram manchetes nos últimos anos.

“Houve dificuldade em fazer a série, porque o que você faz, você quer que seja relevante em um certo grau”, disse Ridley aos repórteres do Television Critics Association. “Quando nós originalmente começamos a trabalhar na série, houve momentos em que nós pensamos que não éramos mais relevantes, que deixamos algumas coisas para trás. Então, conforme a série estava indo adiante, nós percebemos que, infelizmente, estávamos prevendo algumas coisas. A realidade é que esses eventos continuam acontecendo neste país”.

No entanto, Ridley insiste que nunca teve a intenção de explorar esses eventos. “Ao mesmo tempo, você quer construir um espaço em que as pessoas possam reconhecer que a série não é puramente um entretenimento vazio”, continuou. “Nós não estamos tentando reconhecer as coisas que estão acontecendo. Muitas vezes, quando se fala de uma imagem específica, não era necessariamente sobre... colocar coisas no roteiro que estão acontecendo. Às vezes é apenas um tiro, uma imagem, é algo que ressoa, seja com o ‘mãos pra cima, não atire’, ou estar sob os olhos de um policial que percebe que a situação está prestes a sair do controle. A este respeito, nós nos encontramos em um espaço onde queríamos ter certeza que poderíamos ser honoríficos com os eventos, e não se preocupar em perseguir estes eventos, mas perceber que sim, as pessoas – estando ou não com a razão –, vão perceber os paralelos que estamos fazendo”.

Ainda assim, Ridley observa que sua história é muito mais baseada em temas da perda, e reações pessoais e emocionais das famílias, tanto da vítima, quanto do agressor. “Não é sobre a polícia. Não é sobre isso. É realmente sobre a família”, disse. “Nestes eventos, podem-se demorar meses, se não anos, para conseguir lidar com a perda e, por muitas vezes, simplesmente não há uma resolução”.

De qualquer forma, os telespectadores podem obter uma resolução com os 11 episódios da primeira temporada. Como o presidente da ABC, Paul Lee, observou anteriormente: “American Crime” vai seguir o formato de “True Detective”, exibida pela HBO. A cada temporada, um novo crime e novos personagens serão inseridos. Logo, nenhum dos atores deste primeiro ano estará no segundo, caso ocorra a renovação.

American Crime” estreia quinta-feira, dia 5 de março, às 22h, na ABC.

Felicity Huffman divulga pôster da série “American Crime”


A atriz Felicity Huffman usou sua conta no twitter para divulgar o pôster de “American Crime”, sua nova série para o canal ABC. Confira:


No novo drama, Felicity interpreta Barb, uma mãe batalhadora que tem o filho assassinado, e luta para que os responsáveis sejam presos. A estreia ocorre no dia 5 de março.

Eva Longoria irá estrelar a minissérie “Telenovela” na NBC


A rede americana de televisão NBC anunciou nesta sexta-feira (16/01), que a estrela da série “Desperate Housewives” (2004-2012), Eva Longoria, vai estrelar uma minissérie chamada “Telenovela”, que já possui 13 episódios encomendados. A estreia deve ocorrer na temporada de 2015/2016.

O presidente da NBC Entertainment, Bob Greenblatt, comunicou que “Telenovela” é “um olhar por trás das câmeras da realização de uma telenovela”. Segundo as informações, Eva é a criadora, produtora executiva, e irá interpretar Ana Maria, a linda atriz principal da novela mais amada da América Latina, que se esforça para permanecer no topo em um mundo onde o drama em frente às câmeras não é nada comparado com o que está acontecendo fora da tela.

Telenovela” é uma comédia de uma única câmera, com duração de 30 minutos, que conta com a co-produção de Chrissy Pietrosh (“Cougar Town”) e Jessica Goldstein, em parceria com a Universal Television. A comédia é um dos projetos o qual Longoria estava esperando para sair do papel – ainda aguarda resposta da ABC acerca de outra série.

O novo projeto traz Eva Longoria de volta à TV como protagonista, cerca de três anos após o fim de “Desperate Housewives” na ABC, em 2012. Suas recentes aparições na TV foram participações especiais em séries como “Welcome to the Family” e, mais recentemente, “Brooklyn Nine-Nine”.

Além disso, Longoria é a segunda atriz do elenco principal de “Desperate Housewives” a emplacar uma série este ano. Felicity Huffman, que interpretou Lynette Scavo na série de sucesso, estrela o drama da ABC “American Crime”, que estreia no dia 5 de março.

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

10 anos de amizade


Amigas, dá pra acreditar que já são 10 anos de amizade? Tô tão surpreso quanto vocês, porque parece que foi ontem! Lembram como nos conhecemos de forma até bizarra, e triste? Justamente no funeral da Mary Alice, que graças a vocês, consegui compreender muito desde que partiu. E graças a ela, pude construir uma relação linda e invejável com vocês quatro.

Susan Mayer, minha querida! Você me conquistou por completo quando te vi pela primeira vez. Lembro de ter provado seu péssimo macarrão com queijo durante o funeral na casa dos Young, e o quanto aquilo me fez mal durante uma semana inteira! Mas lembro também de ter testemunhado seu primeiro encontro com Mike Delfino, o seu “the one”. Não consigo conter o riso quando lembro da sua filha, Julie, tirando informações do vizinho encanador só para ele poder entrar de vez na sua vida. Guardei seu segredo quando incendiou a casa de Edie Britt por acidente, e estive ao seu lado quando sua própria esteve em chamas e foi obrigada a viver em um trailer. Senti sua agonia quando Julie ficou refém de uma louca em um supermercado, e aplaudi seu casamento simples com o homem da sua vida, no meio da floresta. Sempre amei seu jeito atrapalhado, desengonçado, ingênuo, infantil. Continue assim.

Lynette Scavo, sua luta foi uma inspiração. Queria poder dizer que todas as mulheres tem a força que você tem. Sempre carregou um tom moral e altamente emocional, que nunca deixou de me fascinar. Admirei muito a forma como criou seus quatro filhos, antes do nascimento do quinto bebê. Sua batalha contra o câncer foi digna, lembro como ontem, também. Desde o momento do diagnóstico, até aquela linda noite em que recebeu a notícia de que estava curada. Não pude conter minhas lágrimas. Senti meu mundo desabar com o seu durante a passagem do tornado, quando todos nós acreditamos que ao menos um membro da sua família havia perdido a vida na tragédia. E quando Carolyn Bisby disparou contra você dentro do supermercado? Senti meu coração parar. Você sempre representou tanto na nossa vida. Só quero que você saiba que tem um valor enorme. Nunca se sinta sozinha.

Gabrielle Solis, eu nem tenho palavras pra você. Mesmo vivendo dramas pesados, como a descoberta de sua filha biológica Grace, em nenhum de nossos encontros você conseguiu me deixar pra baixo, com esse carisma incrível e a vaidade acima de tudo. Sua gargalhada sempre será um charme à parte, nunca deixou de me contagiar. E sua transformação foi deliciosa de acompanhar, afinal, não é segredo que seu egoísmo quase lhe impediu de fazer amigas em Wisteria Lane. Você, como as outras, também merece aplausos. Mostrou uma força incrível quando seu marido, Carlos, ficou cego e você teve que sustentar a casa como podia. Especialmente quando Juanita e Celia chegaram às suas vidas. Eu te amo muito, muito mesmo.

Bree Van De Kamp, você foi a figura mais intrigante à primeira vista. Mas passei a te amar no primeiro jantar que estive presente com sua família, ao ver o quanto era desvalorizada por eles. Seus filhos, e seu marido, pareciam incapazes de enxergar seus esforços. Por isso, sofri ao seu lado em cada maldade deles. Senti sua dor quando se viu obrigada a abandonar o Andrew na estrada, por não ter mais condições de dividir um teto com ele. Mas também senti seu arrependimento, e aplaudi quando sua relação com o filho mais próximo foi melhor trabalhada no decorrer dos anos. Você sempre foi o tipo de mulher que fazia qualquer homem se apaixonar muito rapidamente. Infelizmente, no seu caso, acabou fisgando também vários errados. Desprezei o George Williams, e odiei Orson Hodge grande parte do tempo, especialmente pela forma como ele optou por finalizar a história com você. Chuck Vance foi outro erro absurdo, mas fico feliz por você ter encontrado um homem digno que realmente vale a pena. Você, Bree, que sempre foi taxada como a “vadia fria” e “perfeita”, que foi julgada por todos que a conheciam, mas que na verdade não tinha controle algum sobre o ambiente em que vivia. Sua “perfeição” era tamanha, que acabou tendo sérios problemas com álcool. E eu, mais uma vez, te aplaudo de pé, pois te vi “crescer” de uma forma inimaginável na última década, sempre para a melhor. Te amo muito por isso.

Não poderia deixar de relembrar da nossa saudosa Edie Britt, que partiu tão repentinamente, e de forma tão injusta. Mas amei essa mulher, talvez mais do que qualquer um dos homens os quais ela se envolveu. Mesmo em seus momentos mais cruéis, eu conseguia compreendê-la. Deixou tantas saudades que é difícil descrever.

Pois é meninas. Já faz dois anos que cada uma de vocês decidiu seguir a vida fora de Fairview. Dois anos desde que nos encontramos pela última vez. Enquanto isso, continuo vivendo aqui, no 4352 de Wisteria Lane. E todos os dias, lembro dos vários momentos que vivi ao lado de vocês. Alegres, tristes. Das brigas, das reconciliações. Dos conselhos. De tudo. Não se esqueçam jamais que, sempre que desejarem fazer uma visita, a porta da minha casa estará aberta. Seja para um simples café, ou até mesmo para um jogo de pôquer. Estarei sempre aqui, e sei que vocês estarão lá para mim também.

Finalizo agradecendo, novamente, pelos anos maravilhosos de amizade que vocês me concederam. Amo a cada uma de forma incondicional. Saudades imensas!

Atenciosamente,
                                                           Felipe Scavo

domingo, 21 de setembro de 2014

Morre a atriz Polly Bergen, aos 84 anos


A atriz veterana Polly Bergen faleceu na manhã deste sábado (20/09), aos 84 anos.

Segundo informações, a hora da morte foi às 11h da manhã (horário local), de causas naturais. Ela estava cercada pelos familiares e pelo empresário de longa data.

Bergen tinha 62 anos de carreira artística, tendo recebido um Emmy Award em 1958 por seu papel como Helen Morgan na série “Playhouse”.

Em “Desperate Housewives”, a atriz esteve presente durante 10 episódios como Stella Lindquist, mãe de Lynette Scavo (Felicity Huffman). Sua primeira aparição ocorreu no último episódio da terceira temporada, “Getting Married Today”, quando chega à Wisteria Lane para cuidar da filha com câncer. A série apresentou a personagem pela última vez no episódio “Flashback”, da 7ª temporada, quando visita a família Scavo com seu novo marido, Frank Kaminsky (Larry Hagman) e acaba ficando milionária quando ele repentinamente morre.